ACIONAMENTOS ELETRICOS PDF

.

Author:Tygole Kazrarisar
Country:Sao Tome and Principe
Language:English (Spanish)
Genre:Marketing
Published (Last):25 October 2008
Pages:141
PDF File Size:5.59 Mb
ePub File Size:2.33 Mb
ISBN:198-5-59956-472-7
Downloads:91988
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Goltiktilar



O diagrama de fora nos mostra a passagem da corrente atravs de um sistema com um contator, e logo depois por um rel, com a finalidade de proteger o sistema contra possveis sobrecargas. J o diagrama de comando nos fornece as seguintes funes possveis: As botoeiras S1 e S0 nos torna possvel desligar o motor, pois so normalmente fechadas, e acionadas impedem a passagem da corrente pra energizar K1.

Mas tais funes idnticas de S0 e S1 no torna uma delas inteis, pois S1 considerada uma botoeira local prxima ao motor e S0 remota longe do motor , ou seja, pode-se desernegizar a bobina de K1, o que leva ao desligamento do motor tanto em um local prximo a ela quanto em um local remoto.

Enquanto as botoeiras S0 e S1 tem a funo de desligar o motor, as botoeiras S2 e S3 tem a funo de lig-lo, uma vez que, so normalmente abertas, e quando acionadas tornam possvel a passagem da corrente at K1, o que o energiza, e ativa o motor. Mas devido ao posicionamento estratgico das duas botoeiras, e do contato de K1, formado um selo, que torna possvel, mesmo sem o acionamento de S2 e S3, K1 ser energizado, pois tem uma ligao direta a S1 que o proporciona acesso a corrente.

Neste caso tambm importante explicitar o fato de que S1 e S2 so considerados, respectivamente, local e remoto, de acordo com as definies h pouco relatadas. Concluso da prtica A prtica nos leva a concluir que possvel atravs de um sistema simples, ativar e desativar um motor tanto estando prximo a ele, quanto longe, ou seja, acion-lo, ou desativ-lo tanto localmente quanto a distancia. Tal prtica expe uma possibilidade extremamente importante, pois possibilita o controle de um motor sem que a distancia seja fator determinante quanto ao processo de construo de uma cabine de comando, por exemplo, e diversos outras possibilidades de extrema importncia.

Prtica 2: Reverso direta de um MIT 2. Objetivo O objetivo desta prtica , atravs da montagem do comando, reverter o sentido da rotao do motor apenas com comandos das botoeiras e sem a necessidade do desligamento do motor para a reverso, com uma ligao em tringulo.

Por exemplo, se o motor est girando no sentido horrio, aps o comando necessrio, ele ir girar no sentido anti-horrio.

Materiais: a b c d 2 Contatores; 1 Rel de sobrecarga; 3 Fusveis de fora; 2 Fusveis de comando. Procedimentos Diagramas: Fora: Comando: No diagrama de fora podemos observar a conexo entre os cabos conectando R a T com R passando por K1 e T passando por K2 primeiramente, a mesma coisa se repete, mas dessa vez, com T passando por K1 e r passando por K2 e so conectadas em um mesmo terminal.

Tal pratica faz com que quando o motor recebe a corrente de K1, gire em um determinado sentido horrio e, pela conexo entre os cabos, quando recebesse a corrente de K2 girasse no sentido contrario anti-horrio. Assim como na pratica anterior, para a proteo e segurana, o sistema passa por F4, o rel de sobrecarga. No diagrama de comando, S0 responsvel pelo desligamento de todo o sistema, enquanto feito um intertravamento mecnico atravs de S2 e S1, uma vez que, ao se acionar a botoeira S1, abrimos o seu contato normalmente fechado, impedindo que se energize K2 e fechamos o normalmente aberto energizando K1, quando ativamos a botoeira S2 impedimos que K1 se energize e energizamos K2.

Pelos contatos auxiliares de K1 e K2 serem ligados paralelamente a S1 e S2, o motor se mantm ligado mesmo que as botoeiras no estejam acionadas, uma vez que elas no tem reteno, tal fato muito importante para tornar vivel o funcionamento do motor. Concluso da prtica Atravs desta prtica, podemos concluir que a inverso do movimento de um MIT algo simples de ser feito, com apenas o uso de um segundo contator e ligaes estratgicas de cabos, invertendo o seu campo magntico. Tal possibilidade de extrema importncia, pois trs a possibilidade de uso de apenas um motor para funes mais funes, como por exemplo inverter o sentido de uma esteira, e etc.

Prtica 3: Funcionamento Condicionado de Motores 2. Objetivo O objetivo de tal prtica , de acordo com condies impostas pelo professor, acionar dois motores de induo trifsica MIT aqui tratados como M1 e M2.

Chamarei de M1 o motor o qual alimentado pela bobina de K1 e M2 o motor alimentado pela bobina de K2. Condies: Uso de chaves de partida. Uso de sensores e temporizadores. Procedimentos 1.

Condio: M1 funciona apenas se M2 estiver funcionando. Diagramas: Comando: No comando observa-se que S0 desliga o sistema. Com o posicionamento do contato auxiliar normalmente aberto entrada 33 e sada 34 de K2 logo antes da bobina de K1, a qual alimenta o M1, faz com que o acionamento de M1 s seja possvel com a bobina de K2 energizada.

Com a bobina de K2 energizada o seu contato normalmente aberto entrada 33 e sada 34 se fecha, tornado o acionamento de M1 possvel, mas dependente do acionamento de M2, uma vez que com K2 energizado M2 estar em funcionamento. Condio: M2 funciona apenas se M1 estiver funcionando Diagrama: Comando: Como na condio anterior, observa-se que S0 desliga o sistema.

Com o posicionamento do contato auxiliar normalmente aberto entrada 33 e sada 34 de K1 logo antes da bobina de K2, a qual alimenta o M1, faz com que o acionamento de M2 s seja possvel com a bobina de K1 energizada. Com a bobina de K1 energizada o seu contato normalmente aberto entrada 33 e sada 34 se fecha, tornado o acionamento de M2 possvel, mas dependente do acionamento de M1, uma vez que com K1 energizado M1 estar em funcionamento.

Para que M1 funcione, necessrio que se acione S2, o que ir energizar K1,o que levar seu contato normalmente aberto se feche, permitindo assim, que K2 se energize.

Condio: M2 liga automaticamente M1. Diagrama: Comando: Assim como na condio anterior, um motor depende do acionamento de outro. Ao se acionar M2, M1 liga automaticamente. Para que M2 funcione, necessrio que se acione S2, o que ir energizar K2,o que levar seu contato normalmente aberto se feche, permitindo assim, que K1 se energize.

Condio: M1 desliga automaticamente M2. Diagrama: Comando: Para que a situao proposta ocorra, o M2 deve estar ligado, atravs do acionamento da botoeira S2 que levar a energizar a bobina de K2, mas no afetar K1.

Mas quando este for ativado, atravs do acionamento de botoeira S1, o contato normalmente fechado de K1 , aberto, impedindo que K2 se energize, ou seja, impede que M2 ligue, e se como o descrito aqui, ela j se encontrar ligada, o acionamento de M1 a desligara automaticamente.

Condio: M2 desliga automaticamente M1. Diagrama: Comando: Para que a situao proposta ocorra, o M1 deve estar ligado, atravs do acionamento da botoeira S2 que levar a energizar a bobina de K1, mas no afetar K2. Mas quando este for ativado, atravs do acionamento de botoeira S1, o contator normalmente fechado de K2 , aberto, impedindo que K1 se energize, ou seja, impede que M1 ligue, e se como o descrito aqui, ela j se encontrar ligado, o acionamento de M2 a desligara automaticamente M1.

Concluso da Prtica: Esta prtica nos mostra que podemos manipular diversas aes do motor de acordo com nossa necessidade e capacidade de criar um sistema de comando capaz de atend-la.

Nossa capacidade de raciocnio pode nos proporcionar diversas possibilidades de comando a motores, apenas manipulando o diagrama do controle. Prtica IV: Chave estrela tringulo Y - 2. Procedimentos Diagramas: Fora: Comando: No diagrama de fora, so curto circuitados os terminais de K2, para que se possa estabelecer contato entre ele e o motor. Foi observado que aps a mudana da chave velocidade no muda por que o numero de plos e a tenso no mudou.

Quanto ao de comando, ao acionar s1, energiza-se K2, que, por ter um contato normalmente fechado que ao ser acionado, impede o acionamento de K3, ou seja, impede que a ligao mude. Alm do mais no podemos ligar um motor em triangulo e estrela ao mesmo tempo. Anexo 1 Fazer os diagramas fora e comando para reverso indireta de um MIT e descrever o diagrama. Fora: Comando: Para que a bobina de K1 se energize, necessrio que K2 permanea desligada, pois h um contator normalmente fechado de K2 para impedir que K1 se energize caso acionado, e o mesmo acontece com K2, portanto necessrio o desligamento da bobina K1 para realizar-se a reverso no sentido contrario, e, o mesmo para realizar a inverso no primeiro sentido.

Por sua vez, a reverso, assim como explicitado na prtica dois, feita pela conexo entre os cabos conectando R a T com R passando por K1 e T passando por K2 primeiramente, a mesma coisa se repete, mas dessa vez, com T passando por K1 e r passando por K2 e so conectadas em um mesmo terminal. Anexo 2 Cite e explique 5 tipos de Motores Monofsicos. Nome Jet Pump Split-phase Imagem Emprego comum Recomendado para aplicaes onde so exigidas poucas partidas e baixo conjugado de partida: sistemas de bombeamento de gua por jet pump, bombas comerciais e industriais, bombas residenciais, bombas centrfugas e bombas hidrulicas.

Compressores, bombas, ventiladores, trituradores e mquinas em geral, que requeiram regime contnuo Ventiladores, compressores, bombas, talhas, guinchos, transportadoras, alimentadoras para uso rural, trituradores, bombas para adubao, descarregadores de silos e outras de uso geral. Sistemas de bombeamento de gua por jet pump, bombas comerciais e industriais, bombas residenciais e bombas centrfugas.

Trituradores de alimentos, esteiras, picadores de alimentos e outros. Ponta de eixo com rosca ou chaveta.

EL ARTE CINEMATOGRAFICO BORDWELL Y THOMPSON PDF

APOSTILA - Acionamentos Elétricos - Cap. 1 - Conceitos Fundamentais

.

AYSE KULIN UMUT PDF

Comandos Elétricos: Principais fundamentos e Aplicações

.

ESPEJISMO DE DIOS RICHARD DAWKINS PDF

Relatório: Acionamentos Elétricos de Motores

.

Related Articles